Anunciando o Reino Com o Poder de Deus (Parte 1)

Pouco antes de enviar os setenta de cidade em cidade (Lc 10: 1-12), Jesus se vê num dos encontros mais interessantes que os evangelhos registram. Ele se encontra com três pessoas que são desafiadas a anunciar o reino de Deus (Lc 9: 57-62).

Diferente do que poderíamos supor, eles parecem não passar nos critérios estabelecidos pelo Mestre àqueles que desejam cumprir com esta essencial tarefa da vida Cristã.

Inicialmente, o Senhor é procurado por alguém que afirma ir com Ele para onde for. Parece uma proposta cheia de fé. No entanto, o Senhor nos ensina a ter mais cuidado diante do entusiasmo e de decisões pouco refletidas. Pela resposta do Senhor, as palavras do rapaz eram belas, tocantes e determinadas, mas faltava o real entendimento a respeito das exigências e consequências em seguir a Jesus e anunciar o reino de Deus. O rapaz é levado a pensar em duas situações. Primeiramente, Jesus cita as raposas e, em seguida, as aves do céu. Estas, segundo Ele, não possuem ninhos; não têm covis ou abrigos. Os animais citados podem se deslocar de uma para outra região em função da fome, busca de água ou outras necessidades. E a aplicação é fulminante: o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.

Apresentar-se a Jesus acreditando que é o caminho certo para ter tranquilidade na vida, sucesso, prosperidade física e material, e realização de todos os sonhos de consumo de um “filho do rei”, é um grande engano. Jesus caminhava rumo à cruz e, dizer que estaria com Ele em qualquer lugar foi o mesmo erro de outros discípulos, notadamente Pedro afirmou que, embora todos deixassem o Senhor, ele iria até o fim. Era a expectativa de Pedro, mas nós bem sabemos o que realmente aconteceu.

Seguir os passos do Senhor deve decorrer da compreensão adequada do evangelho; entender que perseguições e rejeições são previsíveis; que a oposição fria ou agressiva é esperada; que os incômodos para testemunharmos os valores do reino em um mundo corrompido e perverso não serão poucos; que o Senhor em momento algum nos promete uma vida sem dificuldades e aflições; que viver com Jesus não é algo simples, nem é fácil anunciar o seu reino.

Não sabemos se o rapaz entusiasmado em seguir os passos do Senhor foi avante ou não, se fez ou não parte do grupo dos setenta. O fato é que deve ter refletido melhor e entendido o que realmente significa seguir a Jesus. E esta deve ser a nossa reflexão também.

Em nosso tempo, pessoas anunciam um reino de Deus de fantasia, sem base bíblica. A perniciosa e falsa “teologia da prosperidade” tem produzido “clientes” ao invés de “discípulos”; “religiosos pidões” ao invés de “servos dispostos a negar-se e tomar a sua cruz”, “religiosos cheios de vontades” ao contrário de “servos dispostos a servir”.

Jesus adianta ao rapaz que não estava seguindo para Jerusalém a fim de tomar posse do palácio real e, sim, para ser morto na cruz. Nós também hoje precisamos entender que chegará o dia em que os servos do Senhor desfrutarão do reino eterno de Cristo. Enquanto isso, contudo, temos de pagar o preço do discipulado com responsabilidade e firme persistência. Que ao fazermos missões e anunciarmos o reino pelo poder de Deus, possamos nos lembrar disso.

Pr. Roberto da Silva Santos (IB Central de Taguatinga)
– Texto enviado pela irmã Marcélia Santos.

Author: adm0152

Compartilhe!