Vós Sois o Sal da Terra

“Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de restaurar-lhe o sabor? Para nada mais presta, senão para ser lançado fora, e ser pisado pelos homens”. (Mateus 5:13)

Graça e paz, amados irmãos!

Estamos participando de conferências em nossa igreja e sendo confrontados com a realidade que o mundo vive hoje, e, como igreja, o que devemos fazer para dar continuidade a esta tão bela lição que foi ensinada por Jesus, que é ser sal da terra neste mundo tão cruel.

O sal que fica insípido e perde o sabor é uma simbologia que aponta para o discípulo que deixa de ter as características do Mestre, ou seja, aquele que não exerce a humildade, a mansidão, o amor, e deixa de reconhecer a sua pobreza espiritual, a necessidade de estar na constante dependência de Deus.

Interessante quando falamos sobre o sal, precisamos lembrar que ele é um elemento muito importante para a conservação dos alimentos. O sal era e ainda é hoje, fundamental para a preparação de uma boa alimentação. Logicamente, precisa ser utilizado na dose certa.  Ele dá sabor aos alimentos. O sal em excesso ou em menos quantidade não fica bom em qualquer tipo de alimento.

Confesso aos irmãos que não sou um “expert” na cozinha nem sou muito fã da mesma, porém, quando tenho oportunidade de fazer algo para comer, procuro sempre colocar sal aos poucos, enquanto tempero, para não errar na quantidade, colocando a mais, pois prefiro que a comida fique com menos sal e assim vou temperando aos poucos, melhor que colocar muito sal e estragar o alimento.

Acompanhando o noticiário essa semana onde o tema principal foi o sal, o apresentador falou sobre o perigo do sal em demasia e o problema que o mesmo pode trazer à saúde se for usado em exagero. No Brasil, por esta causa, o número de morte tem crescido de forma assustadora por falta de uma vigilância especial, e, ao fim da reportagem, foi apresentado um pedido especial e importante para que a população pudesse diminuir o seu uso para que tenhamos uma vida mais saudável e de maior qualidade.

Algo que é interessante enfatizar aqui também é que o sal quase não tem valor financeiro nas compras e ele é sempre esquecido. Podemos perceber em nossa igreja, por exemplo, que na hora que se pede um quilo de alimento não perecível, o sal é rejeitado. Assim sendo, o crente pode não ter valor para o mundo, mas o bom cristão é diferenciado e estando ele presente em certos espaços, as coisas tornam-se diferentes e ele se torna alguém de grande valor.

Assim, devemos ser o sal da terra, e fazendo bom uso deste sal estaremos preparados para entregar uma boa comida, temperada, para aqueles que estão famintos, a procura da Palavra de Deus.

Meu desejo é que Deus esteja incomodando o coração de cada um de nós e que possamos entender que estamos neste mundo, mas não somos dele, e, assim, contribuir fazendo com que as pessoas ao nosso redor vejam a diferença em nós e entendam que vale a pena caminhar com Jesus também.

Nossa oração é para que o Senhor desvende os nossos olhos para que compreendamos a nossa função enquanto estamos aqui, procurando em tudo, ser sal da terra neste mundo insípido. Pensemos com carinho nesta proposta!

Do Seu amigo,
Pr Lusitano Couto

Author: adm0152

Compartilhe!