Uma Vida Inteira Frutificando

Por Joel Pereira

“Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos”. (João15:8)

O meu irmão mais velho, Darcy Pereira dos Santos, partiu para a eternidade no dia 27 de dezembro próximo passado. Contava 92 anos. Até poucos meses antes de seu falecimento, gozava de um bom vigor físico e mental. Bem desprendido, possuía uma disposição invejável. Acordava cedo, preparava o café e logo começava a movimentar-se para as atividades diárias costumeiras.

Mas, aprouve a Deus preparar o caminho para os seus últimos dias na terra. Adoeceu. Algumas internações hospitalares se seguiram, diante do agravamento da enfermidade. Com os órgãos vitais já bem fragilizados, descansou.

O meu saudoso irmão nasceu na cidadezinha capixaba de Mimoso. Foi o primeiro filho da família. Seus pais, pessoas bem humildes, eram lavradores, retirando da terra o produto do que plantavam para a sobrevivência. Foi um tempo bem difícil, numa época em que a agricultura era uma atividade totalmente braçal. Dois outros filhos nasceram.

O tempo passou, e a família foi parar em Conceição de Macabu, onde havia uma grande obra. Era a edificação de uma barragem, com um grande túnel, tendo por fim a construção de uma hidroelétrica.

O primeiro trabalho de Darcy foi na construção civil, com apenas 14 anos. É isso mesmo! Um menor, sem proteção qualquer, a desempenhar essa atividade bem arriscada. Tornou-se empregado da Comissão Central de Macabu.

Foi nessa época, que eu nasci.

De Macabu, a família veio para Niterói, passando a residir na Engenhoca. Por vários meses, todos saiam aos domingos, logo depois do almoço, e vinham para o Rocha, numa verdadeira incursão missionária. A pé até o 3º RI. Depois, pegavam o bonde. Da encruzilhada da Maricá, o grupo seguia  pela linha do trem, passando pelo Lindo Parque, porque não havia estrada, até o Rocha. Por fim, a família veio morar aqui. De imediato, a nossa casa tornou-se um ponto de pregação, a servir de base pouco depois para a organização da Assembleia de Deus do Rocha, hoje uma das maiores de São Gonçalo, com mais de 60 congregações filiadas.

Darcy, com 21 anos, veio a se casar com a jovem Nair. Sempre teve uma forte inclinação para a música. Trabalhando no Rio de Janeiro, saía bem cedo de casa. Apesar da dureza do trabalho, matriculou-se no Instituto de Música, em Niterói. Estudava à noite, depois de seu árduo trabalho diário. Fez teoria musical, solfejo e harmonia. Com isso, conseguiu excelente preparo técnico, habilitando-se a servir como regente de alguns corais em São Gonçalo. No passado, seu instrumento preferido era o trombone.

Em 1958, foi residir em Arraial do Cabo, empregando-se na Companhia Nacional de Álcalis, uma grande empresa. Ali permaneceu por vários anos, ocupando importantes funções, até vir a aposentar-se.

Darcy sempre gostou muito de ler, pesquisar, de aprender. Era a sede de novos conhecimentos para se manter atualizado. Bons livros ocupavam espaço em sua casa.

Pai de cinco filhos, sempre foi muito dedicado à família, querendo o melhor para todos. À Igreja, não media esforços para fazê-la prosperar. Depois de realizar um curso voltado à teologia, veio a ser convidado para servir ao ministério da Igreja. Foi consagrado como pastor em 1992. Durante algum tempo, serviu à Igreja Assembleia de Deus da Praia do Siqueira, em Cabo Frio.

Ao longo do tempo, muitas pessoas adquiriram o gosto e aprenderam música com Darcy. Ser professor de música era uma vertente de seu ministério, que exercia graciosamente. Ele sempre comentava isso comigo. No culto de celebração de seus 90 anos, uma excelente orquestra se apresentou. Foi um programa lindíssimo. Agora, na cerimônia fúnebre, um grupo de músicos prestou-lhe uma homenagem, tocando alguns hinos sacros.

O pastor presidente da Igreja e seus auxiliares todos enalteceram a vida de Darcy, pela sua importância no ministério de várias Igrejas da Região dos Lagos. Destacou igualmente o fato de o mesmo voluntariamente haver  conduzido a construção de vários templos, pelo seu profundo conhecimento na área de edificações.

Após a cerimônia, fui abordado por algumas pessoas da comunidade local, felicitando-me pela vida de meu irmão, pela sua conduta íntegra, estimado e querido por todos. Houve um que me disse: aprendi  música com o pastor Darcy. Graças a ele, hoje sou regente de uma orquestra com adolescentes e jovens.

Que vida frutuosa! Atuou com a mãe e os irmãos na organização de uma Igreja, hoje uma das maiores de São Gonçalo. Colocou em prática o seu talento, ensinando música a muita gente. Dispôs-se a comandar a construção de vários templos de Igrejas na Região dos Lagos. Foi regente de vários corais. Tudo isso, de forma voluntária, apenas com o espírito de servir.

Darcy Pereira dos Santos, meu amado e saudoso irmão, deixou uma grande e notável história de vida. Colocou em prática, de forma intensiva, os seus talentos a serviço da Causa. Uma vida cristã inteira frutificando, como Deus deseja.

Author: adm0152

Compartilhe!